[Resenha] Araruama: o livro das sementes

Obra: Araruama: o livro das sementes

Autor: Ian Fraser

Editora: Moinhos

Gênero: Fantasia

Número de páginas: 242

 

araruama

 

Esse é outro livro que se destaca pela construção de mundo. O universo criado por Ian é inspirado em diversas culturas indígenas da América, e eu acho essa ideia totalmente válida. Assim como falei na resenha de O homem de azul e púrpura, é um tipo de abordagem necessária, e que se destaca pela originalidade, e pela iniciativa do autor de escrever em um universo fora do padrão Europa medieval.

Achei legal que é um mundo muito jovem que está amadurecendo, digamos assim. Ele ainda está em formação, a cultura está mutando, as pessoas estão mudando, coisas estão sendo inventadas, novas ameaças estão surgindo, novas coisas que antes não tinham nome estão sendo nomeadas. Por isso mesmo que o subtítulo da obra é O livro das sementes. É um mundo que ainda florescerá. Ou, como está escrito na sinopse: essa é uma história de quando o mundo ainda era cru. Continuar lendo

Anúncios

[Resenha] Ordem Vermelha

Obra: Ordem Vermelha: Filhos da Degradação

Autor: Felipe Castilho

Editora: Intrínsica

Gênero: Fantasia sombria

Número de páginas: 448

 

ordem vermelha

Essa obra é foda, mas com ressalvas. Ordem Vermelha é a prova de que literatura fantástica pode (e deve) ser relevante. É a prova de que temas atuais e necessários podem (e devem) ser trabalhados dentro de uma trama de fantasia. Até porque, o gênero fantástico é perfeito para servir de metáforas\analogias\simbolismos do mundo real. É exatamente isso que Felipe Castilho faz em sua obra. Mas é preciso deixar bem claro que ele comete alguns deslizes. Continuar lendo

[Resenha] O Quatro

Obra: O Quatro

Autor: Ariel Ayres

Editora: publicação independente (disponível na Amazon)

Gênero: Fantasia urbana\terror cósmico

Número de páginas: 227

quatro

Então, ele livro me deixou bem dividido. Vamos começar pelas partes que gostei:

O Narrador. Veja bem, eu disse Narrador, não narrador. É um conceito interessante. Além de narrador, ele também é um personagem, mas não temos aqui um narrador-personagem. Está mais para um ser onisciente que é de algum modo responsável pelos eventos do livro, mas que está só observando mesmo. Ou melhor, ele observa e comenta, e seus comentários são muito bons. Ele realmente interage com o leitor, dando uma falsa impressão de quebra da quarta parede. Ele é sádico, cínico, odeia a raça humana, e só quer ver o circo pegar fogo. E vai mesmo. Continuar lendo

[Resenha] Deixe as estrelas falarem

Olá, pessoal! Hoje trago outra resenha de autor nacional.

 

Obra: Deixe as estrelas falarem

Autor: Lady Sybylla

Editora: publicação independente (disponível na Amazon)

Gênero: Ficção científica / space opera

Número de páginas: 133

Sinopse:

Rosa não vê a hora de voltar para sua nave, o cargueiro independente Amaterasu. Reúne sua tripulação, mas se vê em uma situação desesperadora quando se percebe sem dinheiro, com a nave ancorada em um espaço-porto. Eis que um contrabando misterioso surge e uma oportunidade rara de fazer muito dinheiro em pouco tempo. Mas o trabalho não virá sem consequências para Rosa e sua tripulação.

 

estrelas

 

Lady Sybylla nos presenteia com uma história simples, porém cativante. É até um pouco diferente. Não temos aqui uma nave de batalha comandada por um capitão heroico enfrentando uma guerra épica. Não, aqui as coisas são em escalar menor: temos uma simples nave de carga, comandada por uma capitã bastante humana, enfrentando um conflito bem pessoal. Isso de modo algum tira mérito da história, muito pelo contrário. Continuar lendo

[Resenha] A face dos deuses

Olá, pessoal! Hoje trago a última resenha do ano.

Obra: A face dos deuses (As crônicas da aurora #1)

Autor:  Gleyzer Wendrew

Editora: publicação independente (disponível na Amazon)

Gênero: Fantasia sombria

Número de páginas: 167

Sinopse:

Heros Kinnhäert, rei de Maäen, ainda é atormentado pelos horrores vividos durante a Longa Guerra, e tudo que deseja é descansar em paz, mas ao saber da terrível aliança entre dois grandes senhores, vê-se preso em uma teia de conspirações nunca antes vista, e não medirá esforços para evitar a destruição de seu país…
No Norte, Koran K’Voöhk é um orgulhoso guerreiro que retorna à sua cidade após o exílio que lhe foi imposto ainda garoto e se depara com a mais pura decadência: sua Família está em declínio; seu castelo, abandonado aos ratos; seus inimigos, ainda mais poderosos… Conseguirá ele reerguer o nome de sua Família e recuperar o prestígio que ela um dia tivera?
Mentiras, laços frágeis, falsas emoções e adagas traiçoeiras permeiam um mundo cercado de religião, política e deuses misteriosos.

face

A face dos deuses é uma fantasia sombria, e nesse aspecto não decepciona. O tom macabro, frio e cruel da história muito me agrada, o que também faz dessa uma leitura que não é para todo mundo. Há muita violência gráfica, sangue, tortura, e outros atos absolutamente chocantes. A violência é tão banal que poderia ser um elemento ruim, estando lá apenas para chocar, mas não é o caso. Apesar de não necessariamente servir para avançar a trama, ela está inserida muito bem dentro do contexto do mundo criado, tornando-a um elemento natural daquele universo. Continuar lendo

[Resenha] O homem de azul e púrpura

Hoje trago mais uma resenha de autor nacional. Estou devendo várias resenhas de livros que li este anos. Tentarei remediar a situação.

 

Obra: O homem de azul e púrpura (A canção de Quatrocantos #1)

Autor: Vilson Gonçalves

Editora: Buriti

Gênero: Fantasia

Número de páginas: 228

 

azul e púrpura

 

O aspecto mais sensacional desse livro é com certeza o worldbuilding. Não somente por ser incrível e fabuloso por si só, mas pela sua originalidade e ousadia. Em um cenário lit fan nacional dominado por mundos com roupagem europeia medieval, surge um autor com a coragem de escrever em um universo inspirado nas culturas pré-colombianas. Isso por si só já é louvável. Torna-se ainda mais espetacular quando passamos a conhecer Quatrocantos, e nos impressionamos com a riqueza e a exuberância desse mundo. Vilson usou e abusou da criatividade para criar Quatrocantos. Continuar lendo

[Resenha] Mantenha o sistema

Olá, pessoal. Hoje trago mais uma resenha, desta vez de um livro pouco conhecido do mestre Orwell.  Sou fã do autor desde A revolução dos bichos e 1984. E fazia tempo que Mantenha o sistema estava na minha lista de leitura.

 

Obra: Mantenha o sistema

Autor: George Orwell

Editora: Itatiaia

Gênero: Drama

Número de páginas: 256

matenha o sistema

O livro é uma crítica descarada e pesada ao consumismo e ao capitalismo, cheio de reflexões sociais. O protagonista, Gordon Comstock, é um vendedor de livros e escritor fracassado que declarou guerra ao dinheiro. Diante do dilema moral da sociedade moderna (aderir ao sistema ou seguir seus ideais e fazer o que gosta) Gordon escolheu viver com pouco dinheiro. Tinha um “bom emprego”, rentável, numa companhia de marketing, mas largou tudo para tentar publicar livros, e acabou mofando em uma livraria. Assim encontramos nosso protagonista no primeiro capítulo. A trama do livro gira torno da questão: conseguirá Gordon atingir seus objetivos sem sucumbir ao deus do dinheiro?

A escrita de Orwell não é grande coisa, mas é precisa e direita. Os diálogos soam bem artificiais, mecânicos, sem graça. O autor os utiliza como ferramenta para passar suas ideologias. Orwell também usa e abusa da voz do narrador para esse propósito. Isso torna o livro pouco sutil, jogando na cara do leitor a mensagem principal. Mas não é um erro grave aqui.

O ponto alto, justamente o que adoro nos livros de Orwell, é o arco do protagonista. O autor sabe trabalhar o drama deles, e que drama, senhores. Orwell, como sempre, não tem pena de fazer o protagonista sofrer a afundar cada vez mais, com breves momentos de alívio. E tudo que acontece é muito coerente.

Eu sempre elogio o final dos livros do Orwell, pois são os melhores. O final de Mantenha o sistema, porém, deixou a desejar. Certamente é coerente com a trama, mas não é nada memorável. Isso porém não tira o brilho da obra. Apenas minhas expectativas que não foram atendidas.

 

Veredito final: para todos aqueles que pretendem declarar guerra contra o dinheiro.