Sobre a Arte da Escrita | Diálogos: como eles podem enriquecer seu texto

Resolvi criar uma coluna sobre dicas de escrita aqui no blog. Não que isso vá se tornar algo rotineiro (afinal, o que é rotineiro aqui neste blog semi-abandonado pelo blogueiro?). Talvez essa coluna nem passe desta postagem. Só sei que toda vez que eu tiver algo que julgar relevante para falar sobre o assunto, talvez eu fale (o fator preguiça também entra nessa equação).

Talvez você esteja perguntando com que propriedade eu falo sobre esse assunto. Em outras palavras: quem sou eu na fila do pão literário? Quase ninguém, para falar a verdade. Minhas credenciais nesse tópico resumem-se a minha experiência como leitor\aspirante a cinéfilo, alguma experiência com escrita (que não passa de uns poucos contos e um romance ainda não publicado) e uma dose de bom senso. Mas aprendi uma coisa ou outra sobre escrita enquanto estudava para finalizar meu romance. Espero que baste. Feito este disclaimer, podemos prosseguir.

Meu objetivo é tentar te convencer de como diálogos pode ser um recurso literário muito útil e, se usados de maneira inteligente, como tornam o texto mais rico. Eu, como escritor, gosto muito de utilizá-los. Meu texto é praticamente só isso. Bem, é coisa de estilo. Diálogos são a alma do texto. Se eu conseguir te convencer disso no final desta postagem, terei cumprido minha missão.

Vamos pensar assim: qual o objetivo de um livro? Contar uma história. Sim, mas não somente isso. A trama não é tudo em um romance. Um bom livro tem personagens cativantes, que devem ser construídos de maneira inteligente. Um bom livro não subestima seu leitor, dando todas as informações de mão beijada: ele tem subtexto, mensagens nas entrelinhas, temas sendo explorados. Alguns diriam que um bom livro faz mais uso de ‘show’ em vez de ‘tell’ ou não enche o saco do leitor com infodumps. Tomemos isso como premissa, para não ofender os mais sensíveis. Enfim, um bom livro tem tudo isso. E existem várias formas de se trabalhar esses elementos. Não tecerei comentários sobre todas essas maneiras. Veremos como fazer tudo isso utilizando um bom diálogo. Continuar lendo

[TAG] Oscar Literário 2017: indicados

Ano passado rolou aqui no blog o Oscar Literário. É uma tag muito legal que vi primeiro no blog Sem Serifa, mas que muitos outros blogs já participaram. A ideia é homenagear os livros lidos ano passado e escolhermos as melhores leituras através de um concurso estilo Oscar.

As regras são:

– Fazer entre 3 e 5 indicações em cada categoria;

– Indicar apenas livros que você leu no ano passado;

– Criar um post para as indicações e, depois de algum tempo (de preferência, na semana do Oscar), um post para a premiação.

Vi pela blogosfera muita gente fazendo a tag, mas não necessariamente a criada pelo Sem Serifa. Até as categorias eram diferentes. Aqui também tomei a liberdade de alterar algumas categorias.

Mas enfim, sem mais delongas, eis os indicados:

Melhor livro estrangeiro

Androides sonham com ovelhas elétricas? (Philip K. Dick)

O oceano no fim do caminho (Neil Gaiman)

A mão esquerda da escuridão (Ursula K. Le Guin)

A menina submersa: Memórias (Caitlín R. Kiernan)

A viagem ao centro da terra (Julio Verne) Continuar lendo

[Resenha] A mão esquerda da escuridão

Olá, pessoal. Hoje trago a primeira postagem do ano. Uma resenha de um livro que deveria ter finalizado a leitura em 2016, mas só o fiz agora no início de 2017. Bem, antes tarde do que nunca 🙂

Obra: A mão esquerda da escuridão

Autor: Ursula K. Le Guin

Editora: Aleph

Gênero: Ficção científica

Número de páginas: 292

maoesquerda

“O que é um amigo num mundo onde qualquer amigo pode ser um amante quando muda a fase da lua?”

Esta, para mim, foi a frase mais marcante deste que é um dos mais espetaculares livro que já li e sintetiza bem todo o conflito antropológico da trama. A mão esquerda da escuridão é, antes de tudo, uma reflexão sobre gênero e como a nossa sociedade é moldada a partir da dualidade masculino\feminino. Continuar lendo

12 livros para 2017

Olá, pessoal! Este é provavelmente a última postagem do ano, e como tal, gostaria de fazer algo especial. Vi muita gente por aí em blogs e vlogs fazendo listas de leituras para o ano que entra. Resolvi aderir à brincadeira. E vou responder a uma tag específica, qual seja, um livro para cada mês.

Bem, a lista segue logo abaixo. Antes, algumas observações: não necessariamente eu vou cumprir essa meta, mas acho que vai dar. Estou prevendo um ano mais calmo, agora que passei nos exames de doutorado e estou prestes a terminar de escrever meu livro. Segundo, não necessariamente eu lerei na ordem apresentada, porque, sabe como é, às vezes a gente quer simplesmente passar um livro na frente. Terceiro, estes não são os únicos que pretendo ler ano que vem, mas falemos disso no final. Quarto: todos estes são livros que eu já comprei e estou devendo ler. Quinto: sim, a lista tem muitos livros de fantasia\ficção científica, talvez pelo ponto quatro. Mas também porque, como autor de fantasia, esse é o tipo de livro que devo focar, pelo menos por enquanto. Mas tentei diversificar o máximo que pude. E tentei intercalar livros nacionais e estrangeiros.

Obs.: Não farei lista de melhores ou piores do ano. Não agora. Para isso, existe a tag Oscar Literário. Ou seja, em fevereiro teremos esta lista. Confira como foi a tag este ano aqui.

Sem mais delongas, eis a lista: Continuar lendo

As crônicas de Erys – capítulo 2

Como eu sou muito lesado, da última vez que eu postei um capítulo do meu livro, eu postei o capítulo 3, dizendo ser o capítulo 2. Para remediar este mal, agora sim eu postarei o verdadeiro capítulo 2. Espero que gostem 🙂

Leiam os outros capítulos

Prólogo

Capítulo 1

Capítulo 3


Capítulo 2 – O bêbado, o feiticeiro e a pupila

Barhend estava sentado no canto mais escuro da Taberna do Dragão Solitário, numa mesa ao fundo do salão, quase escondido na penumbra. A noite era fria, mas o ar ali era caloroso. De onde estava, via todo o recinto. Na mesa mais próxima, um casal comia em silêncio uma refeição simples. Poderiam ser pai e filha, não fosse tão distintos fisicamente. O homem era alto e magro, pele pálida e cabelos pretos desgrenhados. Trajava roupas escuras e um casaco negro. Aparentava ter meia idade. Já a garota devia ter uns nove ou dez anos. Era baixa e tinha os traços do Dragão: pele morena e cabelos castanho avermelhados.

As outras mesas estavam apinadas de camponeses e peões que trabalhavam nas plantações dos campos quase inférteis da região. A taberna estava movimentada, e Barhend observou por alguns instantes o andar macio de Kassandry, a taberneira, bailando entre as mesas. Um grupo de músicos se preparava para subir ao palco, enquanto um bardo solitário tomava um drinque no balcão. O cheio de álcool e suor impregnava no ar, assim como o sabor seco da poeira do deserto.

Eram quatro músicos: um trazia a rabeca, outro um violino e o terceiro se encarregava de um tamborete. A quarta era uma dama jovial, que ergueu sua mão e, quando se fez notar por todos na taberna, falou: Continuar lendo

[Resenha] Androides sonham com ovelhas elétricas?

“Claro, alguns animais deles, sem dúvida, também eram réplicas eletrônicas; Rick certamente nunca meteu o nariz nos assuntos alheios, assim como seus vizinhos nunca se meteram no real funcionamento de sua ovelha. Nada poderia ser mais deselegante. Perguntar ‘sua ovelha é genuína?’ seria, possivelmente, uma quebra na etiqueta pior que indagar se os dentes de um cidadão, seu cabelo ou seus órgãos internos eram autênticos.”

Androides sonham com ovelhas elétricas? é um clássico da literatura de ficção, que considero leitura obrigatória. Como uma grande fã de Blade Runner, o filme inspirado no livro, há muito tempo queria ler essa distopia de Philip K. Dick (que, aliás, teve várias de suas obras adaptadas para o cinema). Eu gostaria de poder evitar comparações com o filme nesta resenha, mas receio que será impossível, pelo menos para mim. Tentarei evitar o máximo de spoilers possíveis, mas aqui ou acolá vai aparecer algum bem de leve, mas nada muito importante. Então vamos nessa.

androides-sonham-com-ovelhas-eletricas-cinta

Obra:Androides sonham com ovelhas elétricas?

Autor: Philip K. Dick

Editora: Aleph

Gênero: Distopia

Número de páginas:272

Continuar lendo

[TAG] Livros e redes sociais

Olá, pessoal! Já faz bastante tempo que não apareço por aqui. Doutorados da vida, sabe como é, né? Para não deixar o blog morrer, resolvi trazer algo diferente hoje: a Tag “Livros e redes sociais”. Vi essa tag no blog DNA Literário e achei legal, então resolvi fazer também. Então, sem mais delongas, vamos lá.

 

Twitter: Um livro que você quer compartilhar com todo mundo

O último teorema de Fermat, de Simon Singh

fermat

Já falei deste livro antes. Trata-se de uma exposição clara e didática daquele que foi um dos maiores enigmas da história da matemática. Porque eu quero compartilhar com o mundo? Eu penso que as pessoas em geral tem uma ideia muito errada sobre o que é realmente fazer matemática. Este livro é esclarecedor quanto a isto. E nem é preciso ser especialista para poder entendê-lo e aí reside seu grande trunfo. Leia-o e garanto que sua visão sobre a matemática irá mudar completamente.

Facebook: Um livro do qual você gostou muito e que foi recomendado por outra pessoa.

A Torre Negra, do Stephen King

torrenegrasagamu3

Um amigo me recomendo esta série de fantasia. Suas palavras foram: “é bem psicodélico, acho que você vai gostar”. Ele acertou em cheio. King criou todo um universo fantástico (em todos os sentidos da palavra) e uma história incrível. Não há como não querer acompanhar Roland Deschain, o último pistoleiro de um mundo que está morrendo, em sua jornada épica em busca da lendária Torre Negra, o sustentáculo de todos os universos. Personagens incríveis, tramas mirabolantes e um desfecho fabuloso. Eu também recomendo os livros. Continuar lendo