Sobre a Arte da Escrita | Diálogos: como os utilizei na prática

Na primeira parte dessa postagem, falei sobre diálogos e como eles deixam o texto mais rico. Comentei como o Quentin Tarantino escreve diálogos primorosos e como utilizar essa técnica para evitar infodump. Agora, na segunda parte, mostrarei como utilizei tudo isso na prática: no romance que escrevi.

Peço desculpas por está puxando a brasa para a minha sardinha, mas é a vida. Não é somente ataque de oportunidade pra falar do meu livro ou preguiça de pensar em outra coisa. Tem outros motivos. Primeiro, o texto já está lapidado. Diferente do exemplo que postei na primeira parte, no qual pensei por meia hora, aqui eu trabalhei o texto várias vezes, durante meses. Segundo, como é um texto meu, sei exatamente o que eu queria ao inserir essa ou aquela frase. Assim, fica mais fácil eu explicar as técnicas que apliquei, e o raciocínio que usei ao escrever dessa ou daquela maneira.

Farei isso em duas partes. Na primeira, mostrarei como lidei com infodump em meu texto. Na segunda, mostrarei como foi a construção de uma das personagens. Todo isso utilizando diálogos, claro. Continuar lendo

Oscar literário 2017: premiados

Ladies and gentlemen, the Oscar goes to…

Enfim, é chegada a hora de revelarmos os vencedores dessa segunda edição do Oscar Literário aqui no blog. Lembrando que isso é uma tag criada pelo blog Sem Serifa, confiram a tag deles também. Se ainda não viu, confiram a lista com os indicados. E semana passada entrevistamos todos os cinco autores nacionais indicados. Procurem as entrevistas no blog, então bem legais 🙂

E agora, sem mais delongas, eis os grandes vencedores da noite. Continuar lendo

Oscar Literário | Entrevista: Rodrigo Assis Mesquita

Olá, pessoal! Hoje trazemos nossa última entrevista com autores nacionais, para o Oscar Literário. Com vocês, Rodrigo Assis Mesquita.

rodrigomesquitaperfil

Para começar, apresente-se aos leitores. Fale um pouco sobre você.

Meu nome é Rodrigo Assis Mesquita e sou adepto da pré-pós-verdade, da liberdade dentro da cabeça e do brigadeiro de colher. Escrevo principalmente ficção científica e fantasia, com contos e novelas publicados e despublicados.

Depois de um hiato de mais de uma década, voltei a escrever em 2015 inspirado pelo concurso Brasil em Prosa, da Amazon, e pela qualidade inacreditável da novela (então indie) Lobo de Rua, da Jana Pin.

Atualmente, participo do podcast Curta Ficção ao lado do Thiago Lee e da própria Jana e estou num projeto embrionário de histórias seriadas junto com outros autores e editores.

Isso tudo sem deixar de estudar escrita criativa. Continuar lendo

Oscar Literário | Entrevista: Thiago d’Evecque

Hoje trazemos nossa quarta entrevista com os indicados na categoria “Melhor autor nacional” do Oscar Literário. Conheçam o Thiago d’Evecque.

unnamed

Para começar, apresente-se aos leitores. Fale um pouco sobre você.

Meu nome é Thiago d’Evecque e sou escritor, jornalista, carioca e autor de Limbo e de alguns contos. Tento tocar ukulele e sou um amante das coisas refinadas da vida: chouriço, paçoca e — prepare-se — pão com requeijão e Toddy (ou Nescau, se você não tiver bom gosto). Não são coisas separadas, é tudo junto. Sim, é o que parece: eu passo requeijão no pão e salpico o Toddy, o pó, por cima.

Também sou bem estranho, como ficou claro.

Gosto de ler de tudo — de Dan Brown a Tolkien —, mas prefiro fantasia. Meus autores favoritos são Terry Pratchett e Douglas Adams e eles são os culpados diretos por eu ter começado a escrever. Nunca vou perdoá-los.

Tudo relacionado a fantasia me atrai, desde séries até videogames (atualmente jogando Disgaea 2 novamente). São fontes de inspiração e ideias inesgotáveis para mim.

Tenho um blog, o pequenosdeuses.com.br, onde falo sobre escrita, histórias, filmes e tudo mais, apesar de ninguém nunca me pedir. Sou faixa preta em procrastinação e até [continuar depois]

Continuar lendo

Oscar Literário | Entrevista: Má Matiazi

Continuando com nossa série de entrevistas dos escritores indicados na categoria ‘Melhor autor nacional’ do Oscar Literário 2017, hoje trazemos Má Matiazi, autora de O feiticeiro.

ma-matiazi

Para começar, apresente-se aos leitores. Fale um pouco sobre você.

Eu sou a Má Matiazi, que assina os livros como M. Matiazi e os documentos como Marina. Não gosto de usar meu nome sempre ou falar para qualquer pessoa, acho que é meu lado Rumpelstiltskin.

Nasci e vivo em Curitiba, tenho 31 anos e além de escrever também sou ilustradora e tenho uma banda. Antes do Feiticeiro eu lancei meu primeiro livro, locado no mesmo universo, chamado Três e ano passado me lancei como quadrinista com Morte Branca.

Continuar lendo

Oscar Literário | Entrevista: Jana Bianchi

Olá, pessoal! Para quem ainda não sabe, estamos participando da tag Oscar Literário, e já saiu até a lista dos indicados. Enquanto não sai o resultado, resolvemos entrevistar os autores que foram indicados na categoria Melhor autor nacional. Hoje começamos entrevistando Jana P. Bianchi, que inclusive venceu a edição de 2016 do Oscar Literário na categoria Melhor livro nacional. Em breve traremos as demais entrevistas.

14120895
Jana P. Bianchi

Para começar, apresente-se aos leitores. Fale um pouco sobre você.

Eu sou a Jana, uma engenheira de alimentos que trabalha com sabonetes e gosta de contar histórias! Hehe… Sempre escrevi, mas comecei a levar a escrita mais a sério em 2014, quando entrei pro Clube de Autores de Fantasia e me envolvi de pessoas da área. Entendi o quanto era importante estudar escrita, e aí comecei a me embrenhar cada vez mais nesse meio e nesse mercado. Tenho uma novela publicada pela editora Dame Blanche (Lobo de Rua) e uma noveleta independente (Sombras). Também tenho um conto publicado na Revista Trasgo e atualmente sou co-host do podcast Curta Ficção. Continuar lendo

[Resenha] Limbo

Olá, pessoal! Hoje trago uma resenha que já deveria ter feito há muito tempo. Trata-se da obra Limbo, do Thiago D’evecque.

 

Obra: Limbo

Autor: Thiago d’Evecque

Editora: publicação independente (ebook disponível na Amazon)

Gênero: dark fantasy

Número de páginas: 165

Sinopse:

O Limbo é para onde todas as almas vão após a morte. Além de humanos, deuses esquecidos e espíritos lendários também vagam pelo plano. Muitas almas sabem exatamente onde estão e por que; a maioria, entretanto, ainda tem a impressão de estar viva. A morte é um hábito difícil de se acostumar.

Um dos espíritos residentes no Limbo acorda sem nenhuma lembrança de sua identidade. Ele descobre que a Terra está prestes a ser destruída pelos próprios humanos e fica encarregado de enviar doze almas heroicas de volta. Elas reencarnarão no plano dos homens e tentarão reverter o quadro apocalíptico.

Contudo, poucas almas encaram o retorno com bons olhos. O espírito deve, então, forçá-las. Armado, de preferência. Assim, resolve visitar um velho amigo: Azazel, anjo ferreiro e primeiro escolhido da lista.

limbo

A premissa do livro é bem clara. Temos o protagonista\narrador que acorda sem memória no Limbo. Apesar de não lembrar que é, ele sabe que tem uma missão: enviar de volta para a Terra 12 almas que estavam esquecidas no Limbo, na esperança de salvar a humanidade. Um a um, ele vista os escolhidos e tenta convencê-los a retornar (ou força-los a isso). A primeira vista, pode parecer algo repetitivo. E de fato, o começo é. Mas a coisa melhora a partir da quarta alma. O legal é que todas as doze almas são figuras conhecidas da cultura popular (ou pelo menos em alguma cultura; por exemplo, a segunda alma, Tomoe Gozen é uma guerreira lendária japonesa). Cada uma das almas tinha uma característica prezada pelo narrador, que, na sua visão, seria útil para a salvação da humanidade. Continuar lendo