Oscar literário 2017: premiados

Ladies and gentlemen, the Oscar goes to…

Enfim, é chegada a hora de revelarmos os vencedores dessa segunda edição do Oscar Literário aqui no blog. Lembrando que isso é uma tag criada pelo blog Sem Serifa, confiram a tag deles também. Se ainda não viu, confiram a lista com os indicados. E semana passada entrevistamos todos os cinco autores nacionais indicados. Procurem as entrevistas no blog, então bem legais 🙂

E agora, sem mais delongas, eis os grandes vencedores da noite. Continuar lendo

[Resenha] A Menina Submersa

 

Obra: A Menina Submersa: Memórias

Autora: Caitlín R. Kiernan

Editora: DarkSide

Gênero: Terror psicológico\ Dark fantasy

Número de páginas: 317

Sinopse:

Acho que qualquer tentativa de escrever uma sinopse deste livro não será 100% eficaz. Sério mesmo.

 

a-menina-submersa-edicao-colecionado

 

OK, é o seguinte: não sei o que escrever. Na verdade, não sei como começar esta resenha. É sério. Sinto que esta será a resenha mais dura que escreverei e se manterá neste posto por um bom tempo. Preciso de alguma inspiração para começar a falar sobre este livro. Então decido que ouvirei Imaginary, do Evanescence. Não a versão do Origen; é a versão do Fallen que eu quero. É mais impactante.

Sei que estou enrolando. Sei muito bem disso. Então vamos aos fatos:

A Menina Submersa não é um livro fácil. Não mesmo. Li o primeiro capítulo e tive que dar uma pausa. Este não é um livro para ler em uma sentada só. Ele é denso e trata de temas delicados de uma forma tão simbólica e metafórica que você tem que parar algumas vezes. Também há muitas referências e analogias. E, devido à forma como a autora escreve, o ritmo se torna lento. Até demais.

‘Vou escrever uma história de fantasmas agora’, ela datilografou. ‘Uma história de fantasmas com uma sereia e um lobo’, datilografou mais uma vez.
Eu também datilografei

Continuar lendo

[Conto] O Devorador de Mentes

Este texto faz parte de um projeto que talvez se torne um livro algum dia. Ou talvez fique apenas no conto mesmo. Ainda não sei. Mas o conto está aqui. É um terror psicológico, mas bem leve. Espero que gostem.

O DEVORADOR DE MENTES

Primeiro ato: A lembrança

Por Renan Santos

Silêncio. Estática. Ruído. Escuridão. Medo.

***

A porra daquele porão era terrivelmente frio e escuro. Lara não se incomodava muito com o escuro. Era a porra do frio que não suportava. Era glacial. Cortante. Horripilante. Infernal.
Ela tremia, em parte por causa do frio, mas não era exatamente apenas isso. O frio era parte da tortura, mas não a pior parte, ela sabia. Isso é o que lhe causava calafrios: ela sabia que a coisa estava apenas começando e que sempre pode piorar. O maldito sempre sabia como tornar a situação pior.
Muito pior.

É preciso deixar bem claro que não era do escuro que ela tinha medo. Não, não era isso. A escuridão apenas tornava a sensação mais palpável. Mais real. Mas a escuridão em si não era nada. Perdera o medo do escuro antes mesmo dos dez anos. Ao contrário da maioria das crianças, ela se convenceu de que não existem monstros no escuro, a não ser o Medo. Este é o único monstro que realmente existe, e ele é terrível. Isso é o que Lara costumava acreditar.
Quando compreendeu melhor o mundo, a garota percebeu que o Medo não é de fato o único mostro. Existem outros; alguns bem reais. Os Humanos são os piores, mas mesmo os estes temem e veneram o Medo, pois ele é o Pai de todos eles. O mais antigo monstro que a humanidade conhece.
O fato é que Lara estava com medo, não do escuro, como já frisei, mas de si mesma. Por que ela descobriu que existe um monstro mais terrível que o Medo.
Ele atende pelo nome de Loucura. Continuar lendo