[Resenha] Boas meninas não fazem perguntas

Obra: Boas meninas não fazem perguntas

Autor: Lucas Mota

Editora: Publicação independente (disponível na Amazon)

Gênero: Distopia

Número de páginas: 159

Sinopse:

Após uma descoberta científica questionável, a Metrópole superou seus anos de recessão econômica através da legalização do comércio de mulheres.
Cansada de ser tratada como um produto, Marina decide fugir. Para isso, precisará enfrentar a Força, um departamento policial com alta tecnologia especializado na vigilância e aprisionamento feminino. Isso, é claro, se puder se livrar de sua coleira, que emite choques ao ser removida além de denunciar sua localização.

 

51ya06dEOxL

 

Este livro é uma leitura necessária. É uma crítica social pesada. É um soco no estômago da sociedade machista. Mas também é um livro que poderia ter a escrita mais polida.

Vamos lá. Temos aqui uma mensagem crua e direta, sem rodeios. Nada de simbolismos figurativos ou filosofias nas entrelinhas (não que eu não aprecie isso, pelo contrário, amo demais). Mas Lucas escolheu jogar na cara do leitor e gritar com todas as forças: a sociedade do livro é uma exageração da sociedade de merda em que vivemos. Existe um elemento de proximidade aqui. Nossa sociedade atual não está tão distante da distopia apresentada no livro (mesmo levando em conta que a justificativa para a existência dessa sociedade distópica seja um tanto fantasiosa). Isso é o que dá um peso tão grande à obra. Ao mostrar uma versão exagerada, mas plausível, do que somos como sociedade machista, percebemos o quão errada e doente é a nossa sociedade, e o quanto o feminismo se faz necessário. Continuar lendo

Anúncios

[Resenha] Araruama: o livro das sementes

Obra: Araruama: o livro das sementes

Autor: Ian Fraser

Editora: Moinhos

Gênero: Fantasia

Número de páginas: 242

 

araruama

 

Esse é outro livro que se destaca pela construção de mundo. O universo criado por Ian é inspirado em diversas culturas indígenas da América, e eu acho essa ideia totalmente válida. Assim como falei na resenha de O homem de azul e púrpura, é um tipo de abordagem necessária, e que se destaca pela originalidade, e pela iniciativa do autor de escrever em um universo fora do padrão Europa medieval.

Achei legal que é um mundo muito jovem que está amadurecendo, digamos assim. Ele ainda está em formação, a cultura está mutando, as pessoas estão mudando, coisas estão sendo inventadas, novas ameaças estão surgindo, novas coisas que antes não tinham nome estão sendo nomeadas. Por isso mesmo que o subtítulo da obra é O livro das sementes. É um mundo que ainda florescerá. Ou, como está escrito na sinopse: essa é uma história de quando o mundo ainda era cru. Continuar lendo

[Resenha] A face dos deuses

Olá, pessoal! Hoje trago a última resenha do ano.

Obra: A face dos deuses (As crônicas da aurora #1)

Autor:  Gleyzer Wendrew

Editora: publicação independente (disponível na Amazon)

Gênero: Fantasia sombria

Número de páginas: 167

Sinopse:

Heros Kinnhäert, rei de Maäen, ainda é atormentado pelos horrores vividos durante a Longa Guerra, e tudo que deseja é descansar em paz, mas ao saber da terrível aliança entre dois grandes senhores, vê-se preso em uma teia de conspirações nunca antes vista, e não medirá esforços para evitar a destruição de seu país…
No Norte, Koran K’Voöhk é um orgulhoso guerreiro que retorna à sua cidade após o exílio que lhe foi imposto ainda garoto e se depara com a mais pura decadência: sua Família está em declínio; seu castelo, abandonado aos ratos; seus inimigos, ainda mais poderosos… Conseguirá ele reerguer o nome de sua Família e recuperar o prestígio que ela um dia tivera?
Mentiras, laços frágeis, falsas emoções e adagas traiçoeiras permeiam um mundo cercado de religião, política e deuses misteriosos.

face

A face dos deuses é uma fantasia sombria, e nesse aspecto não decepciona. O tom macabro, frio e cruel da história muito me agrada, o que também faz dessa uma leitura que não é para todo mundo. Há muita violência gráfica, sangue, tortura, e outros atos absolutamente chocantes. A violência é tão banal que poderia ser um elemento ruim, estando lá apenas para chocar, mas não é o caso. Apesar de não necessariamente servir para avançar a trama, ela está inserida muito bem dentro do contexto do mundo criado, tornando-a um elemento natural daquele universo. Continuar lendo

[Resenha] O homem de azul e púrpura

Hoje trago mais uma resenha de autor nacional. Estou devendo várias resenhas de livros que li este anos. Tentarei remediar a situação.

 

Obra: O homem de azul e púrpura (A canção de Quatrocantos #1)

Autor: Vilson Gonçalves

Editora: Buriti

Gênero: Fantasia

Número de páginas: 228

 

azul e púrpura

 

O aspecto mais sensacional desse livro é com certeza o worldbuilding. Não somente por ser incrível e fabuloso por si só, mas pela sua originalidade e ousadia. Em um cenário lit fan nacional dominado por mundos com roupagem europeia medieval, surge um autor com a coragem de escrever em um universo inspirado nas culturas pré-colombianas. Isso por si só já é louvável. Torna-se ainda mais espetacular quando passamos a conhecer Quatrocantos, e nos impressionamos com a riqueza e a exuberância desse mundo. Vilson usou e abusou da criatividade para criar Quatrocantos. Continuar lendo

[Resenha] O castelo das águias

Estou devendo várias resenhas aqui no blog. Li vários livros este ano, resenhei poucos. Pretendo remediar essa situação. Por isso, hoje trago minhas impressões sobre mais uma fantasia nacional.

Obra: O castelo das águias (Athelgard #1)

Autor: Ana Lúcia Merege

Editora: Draco

Gênero: Fantasia

Número de páginas: 191

Sinopse:

O Castelo das Águias é um lugar especial. Localizado nas Terras Férteis de Athelgard, região habitada por homens e elfos, abriga uma surpreendente Escola de Magia, onde os aprendizes devem se iniciar nas artes dos bardos e dos saltimbancos antes de qualquer encanto ou ritual. Apesar de sua juventude, Anna de Bryke aceita o desafio de se tornar a nova Mestra de Sagas do Castelo. Aprende os princípios da Magia da Forma e do Pensamento e tem a oportunidade de conhecer pessoas como o idealizador da Escola, Mestre Camdell; Urien, o professor de Música; Lara, uma maga frágil e enigmática, e o austero Kieran de Scyllix, o guardião das águias que mantêm um forte elo místico com os moradores do Castelo. Enquanto se habitua à nova vida e descobre em Kieran um poço de sentimentos confusos e turbulentos, uma exigência do Conselho de Guerra das Terras Férteis põe em risco a vida e a liberdade das águias. Com o apoio de Kieran, Anna lutará para preservá-las, desvendando uma trama de conspiração e segredos que envolvem importantes magos do Castelo.

capa_castelo

O castelo das águias é uma daquelas obras gostosas de ler, pois a escrita é leve e fluída, e a narradora é encantadora. Acompanhamos a história de Anna de Bryke, a mais nova Mestre de Sagas da Escola de Artes Mágicas de Vrindavahn. Qualquer sentimento que isso possa lhe invocar devido à Harry Potter é completamente dispensável. O que temos aqui é uma trama mais madura, contada pelo ponto de vista de uma jovem professora. Não que HP seja ruim, pelo contrário. Mas o tom dado pela autora aqui é diferente, mais pé no chão. Continuar lendo

[Resenha] Laranja Mecânica

Hoje trago uma resenha de um clássico: Laranja Mecânica. Não assisti ao filme do Kubrick (mas o farei em breve), então esta resenha será livre de comparações e vícios.

 

Obra: Laranja mecânica

Autor: Anthony Burgess

Editora: Aleph

Gênero: Distopia

Número de páginas: 224

images.livrariasaraiva.com.br

 

Mais do que uma história pontuada pela violência exacerbada, Laranja mecânica é uma obra reflexiva. O tema central do livro é como colocar as teorias do Behaviorismo em prática. Alex, nosso narrador e protagonista, é uma cobaia de um experimento cujo propósito é a correção de comportamento violento a partir de estímulos. Mas então fica reflexão: ao sermos privados do direito de escolher fazer o bem ou o mal, ainda somos humanos? Afinal, seria o livre-arbítrio o que nos define? Continuar lendo

[Resenha] A canção dos shenlongs

Olá, pessoal! Hoje trago mais uma resenha de uma obra nacional. Confiram.

 

Obra: A canção dos shenlongs

Autor: Diogo Andrade

Editora: publicação independente (ebook disponível na Amazon)

Gênero: fantasia épica

Número de páginas: 83

Sinopse:

Os tempos mudaram. A ascensão do Império de Housai obrigou os monges guerreiros shenlongs a se isolarem cada vez mais. Com o passar dos anos, os Quatro Templos sagrados se tornaram seu último refúgio. Os Antigos se foram. Seus descendentes desapareceram. Aqueles que resistem à nova ordem estão enfraquecidos.

Por mais de mil anos, o Templo da Montanha, Shanjin, se manteve firme em Linshen. E para Mu, Shanjin é sua casa. Chegou ao templo ainda criança junto de seu irmão, Ruk. E, quando Ruk é expulso da ordem monástica, Mu vive o conflito entre a dor da perda e se manter como um shenlong, fiel aos ensinamentos e o caminho de retidão.

Os problemas se agravam quando um espadachim misterioso traz a notícia da grande ameaça que pode abalar os Quatro Templos. O exílio não durará. Agora, os shenlongs de Shanjin devem reforçar suas defesas e se preparar para o combate. Pois, desta vez, nem a Barreira será suficiente para protegê-los.

51PsXJGFleL

A canção dos shenglongs é uma daquelas obras curtas que tem o propósito de introduzir um novo universo de fantasia. Nesse sentido, ela cumpre muito bem o seu papel. Apesar de não sabermos muito a respeito do mundo que está ao redor de Shanjin, o autor soube mostrar bem como é a rotina no local, introduzindo de forma suave todo que precisamos saber sobre os shenlongs. Continuar lendo